Início > Holanda > As luvas que me faltam

As luvas que me faltam

03 - 01 - 2008

Vince comentou por aqui que, no frio, nada mais chato do que sair de casa e esquecer de levar as luvas. Pois eu acho que o pior é perdê-las no caminho. Comigo já aconteceu duas vezes, das maneiras mais absurdas.

Caídas nos trilhos
Embora ache prática a existência do banheiro no trem, não gosto de freqüenta-lo. Na porta do toalete recomenda-se usar o cubículo apenas com o trem em movimento, o que não é muito confortável. Outro agravante é o odor, que nem sempre é dos melhores. Tem também a questão prática. Caso viaje só, é mais seguro levar o casaco e bolsa consigo para o local. Mas há ocasiões em que o alívio causado vale o esforço. Era o caso da tarde de ontem. Precisava usar o banheiro no trem.

Geralmente, esses banheiros ficam próximos a uma porta de alguns dos vagões. Como dos aviões, são tão pequenos que mesmo estando sentada é possível usar o lavabo.

Na tarde de ontem, entrei na cabine, coloquei minha mochila no chão e segurei o par de luvas nas mãos enquanto fazia o que era necessário. Levantei-me para apertar o botão da descarga, segurei a dupla que aquece as mãos na minha mão direita. Por alguma razão que não consigo explicar, soltei as luvas no exato momento em que apertei o botão da higienização. Soltei um grito de decepção. A parte inferior do vaso sanitário abriu e, junto com o meu produto íntimo, levou minhas luvinhas de lã vermelhas, tão quentinhas, tão charmosas… as preferidas do momento!

Na garupa
Antes das vermelhinhas, as minhas preferidas eram umas de couro marrom. Super femininas e antigas! Presente de uma senhora. Pertenciam à mãe dela. Mas essa senhora tinha mãos grandes e as luvas delicadas só vestiriam mãos com dedos finos, como os meus.

O único problema era que, como eram muito justas, precisava tira-las para fechar o cadeado da bici. Numa dessas vezes, tirei-as e pousei-as na garupa da bicicleta. Fechei a bicicleta e fui para o meu destino. Dei por falta delas na volta. Não estavam na minha bolsa e muito menos no local onde havia deixado. E o pior é ter de pedalar sem elas…

Categorias:Holanda
  1. Valerie
    04 - 01 - 2008 às 1:53 am

    Muito engraçadas essas histórias!!!
    Nas minhas passagens pela Holanda nunca vi assalto em si, mas se alguma coisa está ‘dando sopa’ (como a sua luva em cima da bike) eles não se acanham não, levam pra si e pronto!!
    Eu mesma já tive 1 bicicleta novinha surripiada.
    Aproveitando, te desejo um Gelukkig Nieuwjaar!!!

  2. Valerie
    07 - 01 - 2008 às 11:11 pm

    Que pena que agora tem senha e não consigo ler quase mais nenhum post…. eu gostava das suas escritas… bua…

  3. 07 - 01 - 2008 às 11:33 pm

    Valerie,
    estou postando algumas histórias para a minha família no Brasil e que, só para eles fazem sentido. Mas em breve voltarei a publicar coisas que te interessam!
    beijo e obrigada por passar sempre por aqui!

  4. 09 - 01 - 2008 às 12:20 am

    Odeio posts protegidos, mas acho que nunca te falei isso né? rs
    Pois é, estou de volta. E até tenho um par de luvas sobrando, mas só mando pra Holanda se você me ajudar a encontrar meu guarda-chuva!
    Bjos e feliz ano novo!
    Rodrigo

  1. No trackbacks yet.
Os comentários estão desativados.
%d blogueiros gostam disto: