Arquivo

Posts Tagged ‘cinema’

A despedida dos festivais de verão

Chegamos ao NDSM-werf por volta das oito da noite. Enquanto fui buscar um chá e um café-com-leite, Nina puxou duas cadeiras para sentarmos em volta da fogueira. Estávamos à beira do Het IJ.

A brisa outonal nos levou para o outro lado do Noorderlicht, afastado do rio, sob o céu claro e a lua cheia. Sentamos nas cadeiras de praia do Pluk de nacht festival, em torno de outra fogueira.

Três garotas mantinham, literalmente, o fogo aceso. Nos unimos a elas. Mais tarde, um outro visitante do festival se juntou ao grupo das que buscavam calor. Ele trouxe consigo uma taça e uma garrafa de champanha. Comentou ter assistido outros filmes do festival naquele local.

Leia mais…

Cinema sem teto é de graça

O Pluk de nacht, um festival de cinema de Amsterdã, acontece num local que poderia muito bem ser cenário de um filme.

Ao fundo, o Het IJ, o rio que corre atrás da estação central de trens. Trailers antigos e contâiners funcionam como bar, cozinha, banheiros e outras instalações.

A telona também é pregada em um contâiner. Caso chova, o filme é exibido dentro de um galpão, o qual todas as noites, após a exibição do filme, transforma-se em discoteca.

pluk de nacht

Leia mais…

Aviso aos amantes de cinema brasileiro 2

Roterdã sedia o Camera Mundo, festival de filmes independentes. A primeira edição, de 25 a 27 de abril, é dedicada ao Brasil, o que significa três dias com documentários, curtas, longas e animações brasileiras.

Além de filmes, DJs também animarão a festa. Aqui está a programação.

Aviso aos amantes do cinema brasileiro

O Festival Internacional de Filmes de Roterdã, de 23 de janeiro a 3 de fevereiro, vai exibir muitos filmes brasileiros.

Confira aqui a programação brasileira.

Na Holanda tem, vou mandar buscar…

… uma capoeirista pra tirar jovens da marginalidade na África do Sul.

Bem, a minha versão para “Na Bahia tem, vou mandar buscar” não rimou, mas a história desta guria de Amsterdã está em um documentário que faz parte da programação do Capoeira Film Festival.

Em três noites frias de janeiro, Amsterdã sedia um festival que traz, entre outros, filmes que contam a vida de mestres consagrados que já partiram, como Pastinha e Leopoldina.

E também a história de uma jovem capoeirista de Amsterdã que levou o esporte para uma casa de detenção para menores de idade na Cidade do Cabo, na África do Sul.

Assista ao trailer
de Capoeira in Prison.

Surpresinhas de uma sexta-feira 13

Querido diário,

Nesta sexta-feira 13, levantei na hora que o despertador tocou e saí de casa com o que os holandeses chamam de “ochtendhumeur”, ou seja, meu humor matutino não era lá dos melhores. E ainda nem imaginava o que a noite me prometia.

Montei na bici, coloquei música e me animei um pouquinho. Pedalei por dentro do parque, onde as pessoas que pedalam no sentido contrário estão mais abertas e, de vez em quando, até esboçam um leve sorriso de bom dia.

Anjinhas no meu caminho?
Desci o pequeno túnel sentido Estação Central e, como sempre, reduzi a marcha para facilitar na hora de subir a ponte que atravessaria a seguir.

Leia mais…

Una paloma ‘blanca’ e ‘holandesa’!

Una paloma blanca
I am just a bird in the sky
Una paloma blanca
yes no one can take my freedom away

George Baker Selection, 1975

Encontrei dia desses “Una paloma blanca” no iPod de um amigo. Tenho uma vaga lembrança de que na minha infância, essa música fazia sucesso na televisão, se não me engano, nos programas de calouros. Talvez até exista uma versão em português…

Além de duvidar do gosto musical do amigo, achei estranho um holandês ouvir “Una Paloma Blanca”. Perguntei ao namorado se ele conhecia aquela música. ‘É claro, George Baker Selection é um grupo holandês”, respondeu ele.

Para meu espanto, li na Wikipédia que além de Una Paloma Blanca, o holandês, que ganhou dos pais o nome de Johannes (Hans) Bouwens escreveu mais de 600 letras de músicas e vendeu cerca de 20 milhões de discos!

E descobri que até gosto do primeiro hit da George Baker Selection, Little Green Back (1969). Em 1992, Quentin Tarantino (o cineasta que transforma trash em cult!) a ressucitou e a usou como trilha sonora para o filme Reservoir Dogs.

Veja o clip dessa música: