Arquivo

Posts Tagged ‘trabalho’

O direito sagrado de “ficar de molho”

Zich ziek melden. Notificar estar doente parece ser um direito sagrado nos Países Baixos. Ao menos esta é a única desculpa aceitável para não comparecer à aula ou ao trabalho. Algumas histórias verídicas:

Novo emprego à vista = ziek melden
Após explicar que havia aceito o trabalho em uma emissora regional e que por isso iria pedir demissão disse ter um processo seletivo intenso. E confessou: “estive em tantas reuniões com o novo empregador… por isso que me notifiquei como doente (ziek melden) muitas vezes.”

Schoolziek
A professora entrou na sala de aula, checou a lista de presença e viu que uma das alunas estava ausente.
– Alguém sabe o que acontece com Fabiana?
– Provavelmente está doente, responde um dos estudantes.
– Echt ziek of schoolziek (doente de verdade ou sem vontade de ir pra aula)?

Dia ensolarado = muitos empregados doentes
André trabalha no correio em Amsterdã. Num belo sábado de sol o coordenador dele ligou bem cedinho pra casa dele, pedindo pra ele começar mais cedo: “é que vários funcionários notificaram estar doentes”.

Yes, we can!

Esta segunda-feira será o primeiro dia da batateira como trainee em um programa de rádio holandês. Para ela é o início da concretização de um sonho e a certeza de que se ela é capaz, qualquer um ou uma de nós que imigrou para os Países Baixos também o é.

Depois de dois meses e meio estudando jornalismo crossmediático, a batateira diz que continua aprendendo o holandês e que está longe da perfeição. Mas uma áudio-reportagem dela está no ar, ainda que apenas no blog que construiu junto com as colegas de classe.

A qualidade do áudio das entrevistas não está muito boa devido à pressa estudantil. De qualquer forma, dá pra ter uma idéia do que batateira andou fazendo em tempos em que o Submarina não estava sendo atualizado:

Durei pouco num call center

Trabalhei em Amsterdã para um call center internacional. Na cidade mais multicultural, não é difícil encontrar gente que fale idiomas do mundo todo como língua materna, seja ela qual for.

Para conseguir a vaga, não foi preciso passar por nenhum processo de seleção, muito menos comprovar experiência: bastou telefonar e dizer que falo português.

Leia mais…

O Sinterklaas ‘verde’ chegou

O Groene Sint, santo verde, foi apresentado na semana passada em Amsterdã como ajudante do Sinterklaas.

groene sintA idéia, da Tony’s Chocolonely em parceria com a Oxfam-Novib, é oferecer às pessoas a opção de comprar letras de chocolates, tradicionais dessa época do ano por aqui, com cacau cujos produtores nos países em desenvolvimento, tenham recebido um preço justo pela matéria-prim.

O ‘Groene Sint’ garante que o trabalho deles foi feito em boas condições e sem a escravidão infantil.

De acordo com o website da revista Elsevier, milhões de pessoas trabalham no setor de cacau em países como Costa do Marfim, Gana, Indonésia e Nigéria.

Leia mais…

Com hora para fechar

Situação 1
Estou dentro de uma grande loja de departamentos. Nas mãos, algumas peças de roupa para experimentar. Continuo escolhendo peças. Abruptamente, uma das vendedoras se aproxima e toma as roupas da minha mão.

– Nós vamos fechar, diz a vendedora
– Mas eu vou levar essas peças, arrisco dizer, olhando para as peças que já estão nas mãos dela.
– Volte amanhã! – respondeu ela, resoluta.

Leia mais…

Mulheres + crianças = trabalho?

Há alguns meses, Emely Nobis, redatora da revista feminista Opzij, lançou o livro “Geen Kinderen, geen bezwaar” (não ter filhos não é um inconveniente), no qual ela entrevistou mulheres que nunca ouviram o tiquetaquear do relógio biológico.

Para a maioria das mulheres, o conhecido relógio biológico começa dar sinal de vida quando elas chegam aos 30 anos e não são mães.

Uma pesquisa internacional divulgada no jornal NRC Handelsblad recentemente traçou o perfil da mulher que não tem filhos: ‘normalmente, possui altos níveis de educação formal, são pouco tradicionais e anseiam liberdade e independência’.

Preconceitos
No entanto, ainda que para tais mulheres essa opção seja clara, até a ‘dita’ emancipada sociedade holandesa não está totalmente preparada para aceitar o fato de que existem mulheres para as quais crianças não fazem parte dos planos delas.

Leia mais…

Minha bici caducou?

Costumo dizer que a minha bicicleta não é apropriada para a cidade onde eu trabalho. Hilversum é muito civilizada para uma magrelinha que já rodou bastante. Ela era dobrável. De tão antiga não arrisco dobrá-la. Ela é marrom e o guidão tornou-se marrom de ferrugem.

Hilversum é a cidade da mídia, onde a maioria das emissoras de TV e rádio holandesas estão estabelecidas. Fica numa região cheia de verde, casas enormes e bicicletas novas. E a minha é ideal para Amsterdã, onde a maioria dos moradores possuem bici capengas justamente para que não sejam roubadas. Isso acontece com tanta freqüência.

Velhinha mas funciona!
Logo que mudei para Amsterdã, uma amiga do namorado me emprestou essa bici. Depois de um tempo, a corrente quebrou. Na época, levei a bicicletaria mais próxima e consertar ficava mais caro do que comprar uma bicicleta usada. Acabei a encostando no porão. Quando percebi que era mais negócio ter uma bici em Hilversum do que caminhar ou depender do ônibus para chegar ao trabalho, resolvi, antes de mais nada, recuperar a pequena.

Leia mais…