Arquivo

Posts Tagged ‘Imigração’

A excursão do inburgeringscursus III

07 - 09 - 2011 Comentários desligados

E aqui a terceira e última parte da tradução do capítulo 18 do livro Vinexvrouwen, de Naima El Bezaz.

Após horas rodando chegamos em um pequeno vilarejo. Tão bonito quanto uma pintura, tipicamente holandês, pacífico e formoso, não se parecia nada com o bairro em que eu moro. Fiquei com inveja dos moradores.

Descemos. Olhei ao meu redor. Omar caminhava um pouco mais a frente e avistava três mulheres trajando longas vestimentas. Roupas que ele nunca tinha visto, nem mesmo na Hema, a loja mais popular da Holanda.

“Elas se vestem iguais”, ele me disse.

Eu fiz que sim com a cabeça. “Isso é uma indumentária. Nem há tanta diferença entre eles e nós, mas isso você não pode falar pra eles. Eles não compreendem.”

Ele me olhou quase querendo me castigar, já que esse é o país da liberdade de expressão.

Nós caminhamos ao longo das casas características. Os jardins eram bem visíveis, nos varais algumas peças de roupas penduradas.

“Olha”, ele me disse. “Que calça singular essa pendurada ali”.

Eu segui seu dedo e descobri um pedaço de tecido que se parecia com uma calçola da Bridget Jones, mas ao extremo. Eu não podia inventar uma história sobre o que víamos. A dona da peça estava dando água às plantas em frente à porta de sua casa.

Omar voou na direção dela, com o caderninho de capa preta pressionado contra seu peito.

“Sinhora?”

A mulher, de idade um pouco avançada e trajando uma indumentária olhou com cara de indagação ao ver um grupo de alóctones em frente a sua casa.

“Sim?” perguntou ela vacilante. Deu um passo para trás.

“Eu tenho pergunta”, disse Omar, todo orgulhoso.

Seus colegas de classe praticamente se penduraram na cerquinha da casa dela, o que ela com certeza achou horroroso.

“Aquilo ali”, ele apontou para o varal.

“Sim, o que que tem?”

“Aquela roupa, a sua roupa. A senhora as pendura como os somalis fazem.”

“Vocês têm exclusividade nisso ou algo assim?” perguntou irritada.

Omar riu alegremente. Ele ia com a cara dela. Eu estava com medo de que ele fosse abrir a cerquinha para abraçá-la.

“Ela é escritora”, disse Omar e apontou para mim. “Ela escreve livros para a biblioteca”.

A mulher tipicamente holandesa olhou para mim com ar de desconfiança e depois olhou para Omar.

“O que você quer saber sobre o varal?” perguntou.

“Não, primeiro eu quero dizer: muito obrigada pela hospitalidade. Que nós podemos estar aqui em Marken. Aqui é bem pequenininho, mas bem holandês. Muito bonito. As suas roupas muito especiais. Eu também vou comprar uma dessas pra minha mãe na Somália. Eu vou dizer pra ela que agora eu vivo num país livre onde você pode fazer perguntas”.

A mulher de Marken se sentia visivelmente desconfortável. Ela queria voltar pra dentro de casa. Um grupo de alóctones em frente da casa dela não faria bem para a sua reputação, penso eu, porque vi outras mulheres de Marken balançando a cabeça negativamente enquanto olhavam para nós.

“As suas roupas. Aquela calça, sinhora. Grande calça. O que é aquilo, na verdade?”

“Os outros cursistas aprovaram e unânimes aguardavam ansiosos pela resposta. Mas o rosto dela ficou vermelho. Ela deu um passo para frente, seus olhos jorravam fogo.

“Senhor, aqui na Holanda a gente não fala sobre isso”.

Leia também:
A excursão do inburgeringscursus II

A excursão do inburgeringscursus I

Anúncios

A excursão do ‘inburgeringscursus’ I

Terminei de ler ‘Vinexvrouwen, de Naima El Bezaz. São crônicas baseadas na vida real da escritora holando-marroquina. Ela tem um humor ácido e diz coisas sobre os holandeses que os deixa furiosos, mas também diz coisas sobre os marroquinos que os deixa furiosos, a ponto de ser ameaçada de morte.

Mas vou parar de introduzi-la e deixar que você mesmo avalie o que ela tem a dizer. Compartilho uma dessas crônicas por aqui. Vale lembrar que não sou tradutora, muito menos de crônicas. Espero que possa transmitir um pouquinho do humor dela.

Como escritora conheci muitas vilarejos e cidades nos último anos, bem como seus moradores. Em meados dos anos noventa fiz minha primeira conferência junto com Kader Abdolah. Em Kampen. Após a leitura em voz alta de um trecho do meu primeiro romance, perguntei se haviam perguntas, mas o povo de Kampen pensou que eu era uma espécie de pastor, porque eles me fitaram com rostos imóveis e eu os fitei de volta, até que finalmente Adbolah me salvou. Me lembrei disso agora, mas esse capítulo vai tratar de outra coisa. É que nos últimos anos me deparei com as mais raras situações durante essas conferências. Uma vez eu recitei em um café frequentado pelos motoqueiros dos Hells Angels. Todo mundo estava tão mareado que ninguém falava qualquer palavra que fizesse sentido; nos bastidores ou estavam tendo ataques de risos ou dormiam embriagados.

Chegou um pedido de Roterdã ao meu agente literário para que eu fizesse uma palestra para alunos do curso de integração (inburgeringscursus). Pessoas vindas de diferentes cantos do mundo. Eu espero que eles já tenham aprendido um pouco do idioma.

Eu pego o trem e tento me preparar.

Mas como tudo na vida, as coisas não saíram conforme o esperado. Havia um ônibus enorme na frente do prédio. A professora apertou minha mão e apontou para o ônibus.

‘Olha, é ali que vai acontecer’.

‘No ônibus?’

Ela confirma com a cabeça.

‘Como uma guia de viagens?’

Ela sorri toda orgulhosa. ‘Não é ideal? Porque você também não é daqui, então você também vai ver coisas como eles, que nós já não vemos’.

‘No ônibus?’, repeti totalmente surpresa.

‘Há um microfone e eu sento ao seu lado. E, claro, você não precisa ler nada, porque eles não vão entender mesmo. Mas os conhecimentos básicos eles possuem. Por via das dúvidas, eu dou o exemplo e depois você começa o seu trabalho.

Nesse meio tempo, a turma do curso de integração já havia entrado no ônibus. Haviam muitos homens negros e magros, deveriam ser somalis, mulheres gordas, ou melhor caboverdianas, senhoras com véu islâmico, evidentemente marroquinas porque elas me olharam por muito tempo e tinham bundas nas quais você poderia descansar uma bandeja. Trinta pessoas pra ser exata. Todos entraram no ônibus, a professora também. Eu continuei em pé, do lado de fora e tentei me habituar à situação.

‘Tem alguma coisa errada”, disse a mim mesma. ‘Isso não pode estar acontecendo’. Olhei em volta e esperava que eu estivesse em frente do prédio errado, mas infelizmente: eu estava no destino.

‘Naima, menina! Você vem? Estamos te esperando’.

‘Eu não conheço nada de Roterdã, só o bairro chinês, onde mora uma amiga minha’.

A professora riu, compreensiva. ‘Você é doidinha, não? A gente não vai ficar aqui. A gente vai pra Holanda de verdade. A gente vai em busca da alma do país, das origens, do nosso orgulho, do Século de Ouro”.

Será que ela havia comido cogumelos? me perguntei. Mas eu não podia fazer nada a não ser entrar no ônibus porque o contrato já estava assinado e eu não ia devolver o dinheiro.

continua…

Deixa pra lá

Entro no pet shop e cumprimento o balconista com um ‘goedemorgen’. Pego alguns pacotes de ração seca, algumas latas de ração úmida e me dirijo ao balcão:

– Mag ik een anti-vlooienmiddel?
– Bayer of Frontline?
– Frontline.
– Met drie of zes pippeten?
– Drie.

Ele pega uma embalagem do produto que está na prateleira, coloca junto com as demais mercadorias, dirige-se ao caixa e faz a soma. Ele diz quanto eu devo, eu pago e ele me faz uma pergunta em voz baixa, da qual eu só ouço a última palavra: elkaar.
Leia mais…

Integração!!?

– Mas a sua família também veio parar na Holanda como imigrantes econômicos! – diz um dos candidatos holandeses ao parlamento europeu.
– Exatamente! Eles vieram da Itália em 1850! – responde a política vestida de verde, também candidata.
– E a senhora ainda está aqui! – retruca um outro candidato.
– E me sinto bem vinda! – responde ela novamente, agora um pouco desconcertada.

Tradução livre de um pequeno trecho do debate televisivo, exibido ontem, véspera das eleições parlamentares européias. Nesse momento os políticos discutiam sobre a imigração dentro da Europa.

Sinal fechado

Ele já estava aguardando o farol mudar de cor antes de eu chegar no cruzamento. Boné na cabeça, mochila nas costas, olhou para mim e me cumprimentou.

‘De onde será que eu o conheço? Será que foi meu aluno de português?’, pensei. Cumprimentei-o e disse que não estava o reconhecendo.

– Nos conhecemos do tempo em que você não tinha máquina de lavar roupas, respondeu ele.
– Claro! É a primeira vez que te vejo de boné!

Não apenas o boné. Se o farol não estivesse fechado jamais o viria com trajes esportivos. Depois de um longo período, acabava de encontrar com o dono da tinturaria que a uns anos atrás frequentava semanalmente. Quando o via no estabelecimento dele, ele sempre estava engomadinho.

Leia mais…

O Marrocos fica ali na esquina

A padaria marroquina é a que prepara o melhor croissant da vizinhança, na opinião do namorado. Ela fica bem próxima da nossa casa. Basta ir até o final da rua, virar à esquerda, atravessar uma rua e na esquina está a Al Maghrib, cuja vitrine é decorada com letras do alfabeto árabe em vermelho.

Neste sábado, vi não apenas a caligrafia árabe mas vi que o estabelecimento estava completamente cheio. Homens, mulheres e crianças. “Será que espero esvaziar do lado de fora ou entro?”, me perguntei. Entrei.

Leia mais…

Em quanto tempo se fala holandês?

“Nossa, como você fala bem o holandês!” Essa exclamação não soa como elogio para B, que nasceu na Turquia. Embora tenha imigrado com seus pais aos seis anos de idade, agora, aos 29, ainda ouve essa frase de holandeses.

“Como se fosse impossível conseguir falar o idioma do país em que fui alfabetizada”, irrita-se.

Embora o assunto seja delicado, vou atrever-me a dar minha opinião.

Leia mais…